Democratas

Um pleito em sub judice

ElinaldoNós estamos a poucos passos de uma nova eleição em nossa cidade, em todos os cantos explodem as teorias mais estapafúrdias para explicar quem sucederá o cargo do executivo municipal e suas respectivas razões para tal. Fazem esta analise sob a perspectiva, quase sempre, que costumo chamar de “novelística”; por conter o maniqueísmo que sempre busca encontrar o(s) mocinho(s) e malzinho(s) da história.

De um lado do pleito figura o pré-candidato do partido (DEM), Antonio Elinaldo (que responde a acusação de formação de quadrilha e sonegação de imposto). Do outro lado há uma indefinição entre os nomes de Luiz Caetano e o atual prefeito da cidade, Ademar Delgado. Note-se que o segundo, embora tenha a prerrogativa constitucional, goza de uma popularidade baixíssima junto à população. Caetano por sua vez segue processado em sub Judice o que, a exemplo do que ocorre com Elinaldo, poderá inviabilizar sua candidatura.

Caetano3Ocorre que, venha quem vier, o eleito a prefeitura da cidade terá um desafio supremo de reaproximar-se da população camaçariense. Tudo bem, não é nenhum absurdo conseguir isto, Afinal Parece haver em nossa cidade um anseio de que o representante do nosso executivo seja um “cara do povo”, carismático e que faça o mínimo (levando em consideração nossa arrecadação) nas áreas de segurança, transporte, saúde e um pouquinho de educação, sobretudo universitários, que são os que trazem mais votos.

O juizo final virá do povo

Esta lógica não foi inventada por mim, não concordo com ela, mas é o que percebo se repetir, como uma formula matemática e infalível de ascensão ao poder em nossa cidade. Este pleito nos apresenta (até aqui) os dois principais candidatos com a sombra de acusações judiciais. Tal realidade conduz a uma conclusão… Não há espaço para heróis na política citadina e seja lá quem for o eleito não fará nenhum milagre na administração e, portanto, precisamos ser vigilantes

Anúncios

Pão e circo… Política e música

Tomando carona em um adágio que tornou-se popular digo: “Dai a César o que é de César e dai a Deus o que é de Deus”. A cinco dias atrás, portanto na terça-feira (29/06), ao chegar em casa liguei a televisão espantei-me de forma positiva com a imprensa de minha cidade. Pela primeira vez, desde que me entendo como munícipe camaçariense, senti este “inenarrável” prazer.

DUAS COISAS incomuns ocorreram naquele dia. Coisas que embora  existam tantas questões que possam compor as entrelinhas deste acontecimento histórico, ainda assim não diminuem a importância de sua envergadura. A emissora local TV CONEXÃO, deu no espaço de sua programação a oportunidade para o Deputado Estadual Bira Côroa (PT), desfazer ou tentar, um boato de que estava a flertar sua candidatura a prefeitura municipal de Camaçari, pelo partido líder da oposição  a sua legenda . Pra ser mais específico, o partido do ex-prefeito Helder Almeida, o DEM.

Pois bem, considero importante, quiçá histórico, este momento, não por conta da presença do então paralamentar Bira Côroa, que conseguiu atingir um dos veículos da imprensa televisiva local, mas porque foi a primeira vez que vi um “boato político” trazido a público e sendo esmiuçado, mesmo que somente de forma parcial (afinal só ouvimos o Deputado). Embora seja somente um passo em direção a um caminho que de fato justifique a exitência de uma tv local (que é o de honrar a conceção pública), ou seja uma devolução de um serviço que agregue algo para um grande contigente de pessoas.

Como se não bastasse este ocorrido, na sequência do mesmo programa, eis que o “âncora” do mesmo programa diz num tom de  “como se aquilo fosse natural e corriqueiro” que haverá uma aula de música. Quando a câmera mostrou a imagem do ilustríssimo senhor Enoque Manoel Norberto* que iniciaria uma aula ensinando ao telespectadores os primeiros passos de como tocar teclado, ai sim, disse a mim mesmo: há uma luz no fim do tunel… E música de qualidade, também!

*Enoque Manoel Norberto é um dos pilares da cultura camaçariense, autor da letra e música do hino de Camaçari, contador de história, maestro, Fundador-mantenedor-articulador-pai do grupo Bando do Padim vô e tanta oustras coisas que só uma reticências pode explicar.